Kodak Vision 3 chega à Sagrada Película

 
Este projecto começou há uns meses atrás, quando comprei uma lata de Fuji Eterna, com o objectivo de bobinar e vender. Pensava eu em lançar uma película com um nome original. No fundo, pensava fazer o que qualquer marca respeitável no contexto da fotografia analógica faz hoje em dia: lançar uma película em nome próprio.
 
Dei muitas voltas à cabeça, mas nenhum nome me parecia suficientemente original e poderoso… Acabei por não chegar a conclusão nenhuma. 
 
Fiz nessa altura os primeiros testes, revelando película de cinema Fuji com química C-41 e removendo a remjet com bicarbonato de soda :D. Os resultados foram animadores, mas sabia no meu âmago que revelar com química C-41 era estar a tomar atalhos. Apesar de o resultado final poder ser quase perfeito, estaria a fazer um processo cruzado, porque, no fim de contas, película de cinema deve ser revelada com ENC2 ( revelador CD-3) e não C-41 (revelador CD-4).
 
Rapidamente se tornou claro que, se era para avançar, era para fazer bem. Os passos seguintes seguiram-se naturalmente: pesquisar sobre o processo, encomendar umas latas de Kodak Vision 3 e química ECN2, testar.
 

Os desafios

 

Escala

Tratando-se de película para cinema, tudo no processo é massivo. Estamos a falar de bobines de 122m, o que implica o uso de máquinas de revelação com tanques enormes. Neste processo, lido com recipientes de química de 30L que se destinam a ser diluídos em tanques de 100L. O desafio de diminuir a escala e realizar as medições com rigor é importante para garantir que a química se encontra nas condições ideais. 
 

A infame remjet

Para além da questão da escala, temos a remjet, cujo nome cujo nome se deve ao facto de, no processo original, ser removida com um jato de água ( remove-jet>remjet). 
A remjet é uma camada em carbono adicionada na base da película de cinema, que funciona como anti-halo e anti-estático, que lubrifica e protege contra riscos.
 
 
Se, numa câmara analógica, o filme se move relativamente devagar  (máx. 3-4 fps durante alguns segundos), numa câmara de filmar é diferente. A remjet actua como anti-estático durante esse movimento. Nalguns casos, as velocidades do filme são extremamente rápidas e precisam de protecção extra.
No caso da Cinestill, que vende as películas sem esta camada, é normal aparecerem ocasionalmente manchas vermelhas nas fotos, causadas pela reflexão de luz dentro da câmara.
 

O processo

Habituado a processos lineares como o C-41 ou o E-6, em que todos os químicos se encontram à mesma temperatura, no ECN2 o revelador deve estar a 41º e é o passo mais importante, em que pequenas variações de temperatura poderão conduzir a mudanças de cores. É preciso bastante atenção para que o processo decorra sem problemas. Depois do revelador, o processo é mais tolerante, podendo os restantes químicos estarem a 38º. 
No início do processo é dado um banho para amolecer a remjet e a mesma é retirada antes da revelação. É por este motivo que estas películas não devem ser reveladas em minilab: assim, contaminariam a química.
 
 

Testes

Foram convidados alguns fotógrafos amigos para testarem a película, pois interessava perceber o máximo de situações possível e o comportamento da mesma em relação a sombras/luz, bem como o modo como interpretava as cores.
No primeiro teste de revelação, ocorreram alguns problemas. No último passo, quando passei o squeegee, parecia que estava a apertar o pescoço a um choco. Depois de uma breve análise, verifiquei que os artefactos presentes eram restos de remjet que não foi removida por completo. As cores estavam perfeitas.
 
 
Na segunda sessão, essa situação foi corrigida e os resultados foram perfeitos:
 
 
 
Inspirados pelo início da kodak, vamos vender a película com processamento incluído (processamento = revelação + digitalização), de preferência em packs de quatro. Também vai ser possível comprar apenas um filme (com ou sem processo incluído).
Não criámos nomes espetaculares. Os filmes herdam os nome que lhe dão origem e vão ser chamados assim:
 
SP50D / SP250D / SP200T / SP500T
 
 
Primando pela qualidade, se revelamos slides com 6 banhos, vamos revelar película cinematográfica na sua química nativa - ECN2. Os rolos são bobinados manualmente, têm 36 exposições e estão disponíveis aqui.
 
 

Add new comment

By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.