À conversa com Gonçalo Martins

Gonçalo Martins nasceu em 1975 em Portimão; desde cedo se interessou por fotografia.

Fotógrafo autodidata, começou o seu percurso com uma câmara digital, mas a insatisfação leva-o a a ler e aprender com grandes mestres da fotografia que usavam câmaras analógicas. Actualmente trabalha maioritariamente em película, faz fotografia fine-art (termo que o fotógrafo tem relutância para caracterizar a sua fotografia).

Conheci-o por causa de um negócio na web e algo que achei muito curioso foi um fotógrafo algarvio aleatório fazer fotografia de grande formato, quais são as probabilidades disso acontecer? :D

De onde vem o interesse pela fotografia?

Desde miúdo que era muito observador e sempre gostei da ideia de poder registar o que observava. E embora eu gostasse de desenhar, sabia que não tinha propriamente um dom. A fotografia e o vídeo sempre me acompanhou de alguma forma através do meu pai, mas foi na adolescência que desenvolvi mais o gosto. Pratiquei durante muito tempo skate, e ver vídeos e ler revistas sobre a modalidade era como um culto para mim. Nesse tempo já admirava os fotógrafos e as suas fotografias sobre skate. Em 2004 comprei uma câmara fotográfica Sony de 1.3 megapixeis e comecei a registar os meus amigos a andar de skate e aí o gosto pela fotografia começou-se a afinar. Comecei a ler algumas revistas sobre fotografia e o gosto a aumentar. Em 2006 num acaso de mais umas pesquisas pela net, e já com uma Nikon D70 em punho e com vontade de saber mais sobre o que era a fotografia, encontro a informação sobre um workshop de retrato ministrado pelo Nanã Sousa Dias. O retrato era algo que eu gostava particularmente, mas esse workshop já se encontrava cheio e prometi a mim mesmo que no próximo eu me inscrevia. O próximo que o Nanã deu foi de paisagem e na altura não era bem o que mais me interessava mas fui.
Aí obtive o meu primeiro e mais forte "choque frontal" em termos artísticos. A informação, o conhecimento adquirido e principalmente ver as fotografias ampliadas em papel a passarem por mim de um nível que eu até então eu desconhecia, até hoje ainda está na minha memória! E a paisagem virou também paixão.
Até à data eu desconhecia a fotografia como meio de se expressar algo mais profundo do que os simples registos sociais, recordo-me de ter visto algumas fotografias do Sebastião Salgado, mas que na altura considerava mais uns registos sociais de bom gosto. Os postais das falésias do Algarve, era o que eu conhecia como boas fotografias de paisagens. mas pouco me diziam.
Com o workshop do Nãna tudo mudou e sendo ele um fotógrafo que usa o analógico, o caminho estava aberto!
Até à data eu pensava que qualquer máquina digital, mesmo de 1.3 megapixeis eram melhores do que qualquer máquina dos anos 30 ou 40 e no workshop percebi o quanto estava errado.
A partir daí vendi o que tinha de digital e comecei a estudar o trabalho dos grandes mestres e nunca mais parei.
Montei o meu próprio laboratório, tive a oportunidade de fazer mais alguns workshops de laboratório, com o John Sexton (assistente do Ansel Adams) e Roman Loranc que me ajudaram a afinar alguns detalhes e hoje em dia fotografo 99% em analógico e tento replicar nas minhas fotografias o tal sentimento profundo que senti em 2006. Até ao momento acho que ainda não consegui! :)

 

Que equipamento costumas usar?

Eu fotografo desde o 35mm até ao Grande Formato 8x10".
Nikon FM2 e uma 50mm 1.4 para o 35mm, de Medio Formato, uso o sistema Pentax e Hasselblad com diversas lentes, desde o 50mm até ao 250mm. No Grande Formato 4x5" uso uma Linhof com lentes desde o 58mm ao 240mm e no 8x10" uma Intrepid Camera com a lente 240mm.

 

E películas?

Maioritariamente eu fotografo com película a preto e branco, esta é sem dúvida a minha paixão. Usei muito tempo o Fuji Acros 100, mas com a sua descontinuação e os preços exorbitantes, opto mais no 35mm e Medio Formato pelo Ilford FP4+ e o Kodak Tmax 400.
No Grande Formato uso o Fomapan 400 e Tmax 400.

 

Ainda processas os teus filmes? Se sim porque ainda o fazes?

Embora no meu caso a revelação dos filmes seja a altura menos criativa do processo e por isso para mim menos interessante, eu faço-o por uma questão de controle de como eu quero que sejam revelados, que revelador eu pretendo usar e também por uma questão económica (fica mais barato) e de tempo (mais rápido). O revelador que uso neste momento é o Pyro PMK.

 

Também amplias as tuas fotos, como caracterizas o tempo que passas no laboratório?

O tempo que passa no laboratório, é um dos melhores momentos deste processo! Assim que ligo a luz vermelha, entro num novo mundo e eu adoro aquele ambiente, calmo mas tenso, do silêncio mas ao mesmo tempo com alguns sons aqui e acolá, do cheiro, das tentativas e erros, do andar entre o ampliador e a zona dos químicos, da conversa que vou tendo comigo mesmo sobre o que devo manter e o que devo alterar, é o lugar onde a criatividade é quem manda . Sem dúvida é um tempo mágico, principalmente quando as coisas correm bem:)

 

Porquê Grande Formato?

O Grande Formato está num "campeonato" diferente em relação ao 35mm e Médio Formato, é quase como a Formula 1 da fotografia analógica. É um sistema que tem as suas vantagens e desvantagens tal como os outros. Mas principalmente o detalhe, a suavidade de transição nas gamas de cinzento e a possibilidade de fazer grandes ampliações sem perda de qualidade é o que me atrai. Quando se olha para o despolido de uma câmara 8x10" percebe-se bem esta diferença entre vêr um filme no telemóvel ou no cinema :)

 

Musas ou fotografia de paisagem? O que te define melhor?

Depende muito do estado interior em que me encontro, mas na verdade eu gosto muito de fotografar e sinto-me contente em que situação for, desde que esteja a tirar fotografias!
No entanto a paisagem, a natureza tem um poder especial sobre mim. Uma das coisas que mais gosto é sair de casa ainda de noite,sentir o frio da manhã, a mochila carregada de películas e ver a luz do sol nascer.
O retrato e a figura humana é algo que ainda pretendo explorar mais, é muito importante ter uma boa relação com a modelo para que os resultados sejam satisfatórios, com a natureza essa relação já existe desde o momento em que nascemos, nada é forçado.

 

Numa época em as câmaras digitais estão tão difundidas e é tão fácil fotografar, porque insistes em usar película?

Ser um fotógrafo que usa película, revela os seus filmes e amplia os seus próprios negativos á semelhança do passado tem tudo a haver comigo. Eu não sou uma pessoa hi-tech, gosto de estar informado, mas não gosto do marketing consumista das marcas para os consumidores. Ao usar analógico não estou preocupado com grandes revoluções tecnológicas que surjam, com novos gadgets, para mim quanto mais simples melhor, e o próprio sistema analógico é mais simples. Uma câmara de Grande Formato é dos equipamentos mais básicos e de uma qualidade impressionante que existe.
Outro dos motivos é que com o analógico não tenho de estar horas à frente de um computador, gosto muito de poder usar as minhas mãos como ferramenta para criar a fotografia em papel. A parte táctil do processo é muito importante para mim, consigo criar uma ligação mais próxima com este tipo de abordagem do que clicar um botão e sair uma impressão a jacto de tinta. No entanto também não sou nenhum purista e vejo as vantagens inquestionáveis do digital.

 

Referências na fotografia?

Como referências tenho o Nanã Sousa Dias que a par com o Eduardo Gageiro e Artur Pastor, são para mim os melhores fotógrafos portugueses e como estrangeiros há sem dúvida um leque enorme, tais como o Ansel Adams. Brett e Edward Weston, Cristopher Burkett, Roman Loranc, Bill Brandt, Ruth Bernhard, John Sexton, Michael Kenna, Robert Mapplethorpe, Jean-Loup Sieff, Joseph Holmes, Sebastião Salgado, Irving Penn....

 

O que te inspira?

A luz no nosso planeta, o sorriso dos filhos, o silêncio de um nascer ou pôr-do-sol, o vivermos no mistério da vida, o não sermos perfeitos, o querer aprender, de todos os dias termos mais uma hipótese de melhorar algo e de fotógrafos que usam o analógico :)
O fotógrafo japonês Masao Yamamoto, descreveu o que eu mais procuro na fotografia de uma forma simples e direta:
"Para mim uma boa fotografia é aquela que nos acalma. Nos faz sentir bondosos, gentis. Uma fotografia que nos transmita coragem, que nos traga boas lembranças, que faz as pessoas felizes" .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Gonçalo dá workshops de laboratório; desde a captura da imagem, revelação dos rolos e ampliação. Podem-no encontrar pelo Instagram na conta @gelatinadeprata.

 

Adicionar novo comentário

By submitting this form, you accept the Mollom privacy policy.